O inquebrável Fernando Fernandes

Durante a Expo Abióptica 2017, o atleta paralímpico, presente no estande da Marchon, conversou com a VIEW sobre projetos, desafios e óculos.

Fernando Fernandes: quebrando paradigmas na vida e na tevê, mas sempre de óculos

O hoje atleta Fernando Fernandes foi modelo e participou da segunda edição do reality show de maior audiência do país, o global Big Brother Brasil, em 2002, mas foi na adversidade que o paulistano de 36 anos se tornou um ídolo nacional – após um acidente automobilístico que o deixou paraplégico, em 2009, começou a treinar canoagem e conquistou títulos internacionais. Um dos nomes mais conhecidos do comitê paralímpico brasileiro, Fernandes é atleta apoiado pela Nike, e foi convidado pela Marchon para visitar o estande da empresa durante a Expo Abióptica, em maio.

Em conversa com a VIEW, Fernandes falou sobre seus projetos, que incluem dois programas de tevê e o lançamento de um livro. Símbolo de força e superação, o atleta supera desafios diante das câmeras, como no quadro Sobre Rodas, exibido pelo menos a cada duas semanas no programa Esporte Espetacular da rede Globo.

 

 

Deficiência versus incapacidade

Esses desafios, que o atleta define como “aventuras que me proponho a fazer pelo mundo”, também são exibidos no canal de tevê a cabo Off. Na primeira temporada de Além dos limites (já encerrada, mas ainda disponível on-line para assinantes por meio do aplicativo Globosat Play), Fernandes atravessou 200 quilômetros de um deserto na Bolívia de bicicleta, remou 150 quilômetros no Xingu até uma aldeia indígena, percorreu corredeiras de caiaque em Minas Gerais e esquiou na Noruega.

Sobre a experiência, Fernandes conta que o primeiro obstáculo foi psicológico. “Eu era velocista, atleta de 200 metros, e quando vi estava percorrendo 200 quilômetros. Para a mente, é algo difícil”, explica. Mas lembra que não fez nada apenas para provar que podia. “Eu me propus a quebrar paradigmas da sociedade, dividir um pouco a palavra incapacidade na deficiência física e desfazer essa ideia de que a pessoa na cadeira de rodas é incapaz. Quando se faz algo muito difícil, que a maioria não é capaz de fazer, é uma espécie de convite à reflexão sobre o que é deficiência e o que é incapacidade. São coisas distintas. Acho que esse é o barato do programa”, filosofa.

Fernandes também falou sobre o livro que lança ainda em 2017, Inquebrável, espécie de biografia com fatos e registros de um diário que manteve por alguns anos após o acidente. Publicado pela Companhia das Letras, o livro foi editado pelo amigo de infância e jornalista Pablo Miyazawa, editor-chefe da revista Rolling Stone.

 

Enfim, os óculos

No estande da Marchon, o atleta falou com conhecimento de causa sobre a evolução que acompanha no design e desenvolvimento de óculos esportivos desde o início de sua parceria com a Nike. “Nesses três anos, pude testemunhar uma evolução enorme. Os óculos são muito bonitos, mas também surpreendem na questão da resistência, ajuste e performance”, analisa. “Óculos têm de ter estilo, mas principalmente atender as necessidades do atleta. Nesse ponto, a nova coleção está fantástica”, comemora.

 

468 ad