Por melhores dias para a óptica independente

Um grupo de empresários do varejo óptico de várias partes do país reuniu-se ontem, na sede do Sindióptica-SP, para começar a discutir como garantir melhores resultados comerciais e construir a representatividade da óptica independente brasileira nos dias de hoje.

A decisão pela união veio em decorrência da atual configuração do mercado, com a cartelização dos negócios (isto é, o avanço das grandes corporações em vários segmentos do mercado) e o crescimento das grandes redes.

Na pauta, temas como rentabilidade, qualificação das equipes de venda e estratégias para a sobrevivência do varejo independente. Novos encontros serão marcados e a meta é aumentar o total de participantes a cada reunião para se obter uma representatividade de peso.

O registro do primeiro encontro: em pé, da esquerda para a direita, André Trindade (Sindióptica-SP), Gustavo Maia (Óptica Confiança e Casa Masson, Porto Alegre), Rivaldo Sousa (Óticas Riveliny, Piauí), Assis Cavalcante (Ótica Visão, Fortaleza), Tom Lyra (Ópticas Tom, Palmas), Solano Botto (Óptica Melani, Araçatuba/SP) e Alexandre Kresner (Exótica, Americana/SP). Sentados, da esquerda para a direita, Antonio Cardoso (Ótica Voluntários Jundiaí, Jundiaí/SP), Nicolas Salvador (Terceira Visão, Itapetininga/SP), Akira Kido (Sindióptica/SP) e Álvaro Ferriolli (Miguel Giannini Óculos, São Paulo)

 

 

 

468 ad