Reinvenção permanente

Flavio Bitelman é o publisher da Jobson Brasil

Na época dos avós, o tempo era lento e as mudanças ainda mais lentas. A cada 50 anos, ocorria uma grande descoberta capaz de gerar mudanças que interferisse na vida das pessoas, tal como a eletricidade, o telefone, o carro, o avião etc. Os avós tiveram filhos e as mudanças se aceleraram e, atualmente, a velocidade é incrível. A cada dia, há novidades e mudanças que realmente afetam a vida. Por isso, é preciso se reinventar quase que diariamente.

Tenho muitos amigos que dizem com orgulho que não querem entrar no Facebook, pois não veem razão para tal. Lembra quando o e-mail era o futuro? Hoje, usa-se mais WhatsApp do que e-mails para se comunicar e quando o aplicativo falha ou é suspenso por algum juiz, parece que todo mundo fica perdido. A tecnologia veio para ficar e mudar em uma velocidade incrível e quem não a entender e não se modificar com ela, ficará para trás.

As profissões e as competências podem ficar obsoletas. Trata-se de “morrer” ou de se reinventar e a cada dia com mais velocidade. A palavra de ordem é reinventar-se ou se aposentar – de pijama e tudo o mais que se tem direito.

As mudanças não perdoam. Aquilo que se fazia e era um sucesso, hoje não é mais. Aquilo que garantia o ganha pão, hoje não garante mais. É preciso se reinventar, criar maneiras de ganhar dinheiro e de viver ou sobreviver, como se queira. Mas dormir sobre os louros do passado não dá mais. No universo da óptica, as mudanças também estão batendo às portas. Aquele salário garantido no fim do mês não existe mais se as vendas e o lucro não o garantirem.

Vejo muitas pessoas lutando para fazer concurso público. Significa que o sucesso nos exames garante um emprego até o fim dos dias e uma aposentadoria vitalícia do nível dos salários no governo. Considero acomodação e falta de enxergar o futuro. Um dia, até o governo vai mudar e os empregos públicos também. Se a conta não fechar, os empregos sumirão. Até os públicos. Portanto, a palavra de ordem é reinvenção!

Boas vendas e boa reinvenção!

468 ad